GASTRITE – O que é e como tratar com a Nutrição Funcional

GASTRITE – O que é e como tratar com a Nutrição Funcional

O estômago produz ácido além do necessário, destruindo a camada de muco em contato direto com as células e provocando lesões na região

QUAIS SÃO OS SINTOMAS DA GASTRITE

Se você sente dor intensa no estômago, azia, queimação, sensação de estufamento, refluxo, perda do apetite, náusea e/ou vomito saiba que você pode estar apresentando sinais de Gastrite. Mas vale informar que ela também pode ser assintomática.

Por isso a importância da rotina de exames e da busca por uma avaliação nutricional quando suspeitar de alguma anormalidade e freqüência dos sintomas para descobrir a causa e tratar de forma individualizada, pois cada organismo funciona de uma forma e possui diferentes tipos de sensibilidade alimentar.

Também já lhe chamo a atenção de que você não deve normalizar a convivência com a Gastrite, pois o seu agravamento a longo prazo pode dificultar o tratamento, além de provocar maiores danos  a sua saúde, como o desenvolvimento de uma úlcera e até câncer.

Antes de te contar o que é a Gastrite, entenda brevemente

COMO O ESTÔMAGO FUNCIONA

As células do estômago produzem o Acído Clorídrico (HCI), criando um ambiente perfeito para a Pepsina, uma enzima digestiva que quebra as proteínas dos alimentos em cadeias muito pequenas, tão pequenas que quando elas chegam no intestino elas conseguem ser absorvidas e vão para o nosso sangue, nutrindo todos os órgãos do corpo. Mas este ambiente ácido pode ser muito perigoso até para o próprio estômago, por isso, para se proteger, ele produz um muco que impede que as paredes do estômago sejam destruídas pelo ácido.

Quando tem um desequilíbrio nesse sistema, que a gastrite pode acontecer!

Agora que você entendeu como funciona o estômago, entenda

 O QUE É A GASTRITE:

Quando o estômago produz ácido além do necessário, ele pode destruir a camada de muco e entrar em contato direto com as células, provocando lesões na região. Mas até quando o ácido está em quantidades normais, ele também pode destruir a parede gástrica caso algum outro fator retire o muco protetor.

Essas alterações na mucosa gástrica desencadeia uma inflamação local que é a Gastrite.

No começo a inflamação ajuda o organismo a consertar as alterações que se instalaram. Mas com o tempo a história muda… a inflamação vai lesionando a parede do estômago e alterando as células presentes ali, o que favorece o desenvolvimento de úlceras (feridas na parede do estômago) e até câncer.

O QUE DESENCADEIA A GASTRITE

A ciência descobriu e revelou que a causa dessa doença é uma bactéria chamada H pylori, que é adquirida na infância através de água e alimentos contaminados e, que por se tratar de uma bactéria muito resistente, pode permanecer a vida inteira ali e, somado ao fator da sensibilidade do individuo a certos alimentos, estes facilitam o desenvolvimento da Gastrite.

QUAIS OS ALIMENTOS A SEREM EVITADOS

Cada organismo possui uma sensibilidade diferente aos alimentos, por isso a importância de uma avaliação individual, mas eu vou citar aqui no geral quais são esses possíveis alimentos e até mesmo remédios que devem ser evitados:

  • Remédios anti-ácidos e omeprazol
  • Remédios anti-inflamatórios como aspirina e ibuprofeno ou corticóides
  • Alimentos inflamatórios e potencialmente alergênicos
  • Alimentos industrializados
  • Álcool  
  • Cigarro
  • Frituras e gorduras
  • Cafeínas
  • Temperos picantes

COMO EU TRATO A GASTRITE

Na Nutrição Funcional, eu investigo possíveis intolerâncias e sensibilidades que estão diretamente ligadas com a inflamação e os problemas em seu trato digestivo. A partir dessa avaliação, crio um plano alimentar livre de alimentos inflamatórios com suplementos específicos que ajudam a recuperar a mucosa do intestino. Com esse plano individual, a tendência é diminuir a necessidade de medicamentos (caso você faça uso), até não precisar mais do seu uso.

Fique sabendo ainda que os remédios inibem a produção de ácido pelo estômago e o ácido, como você já viu, é essencial para a digestão de proteínas que, quando mal digeridas, prejudicam o funcionamento do seu intestino.

A prescrição médica é sempre acompanhada de uma reeducação alimentar.

De nada adianta tomar remédio e não investigar a causa dos sintomas.

Camila Laranja

Deixe uma resposta